Servios
Agenda
Postagens
Cinema
Sua empresa no guia - clique aqui!
In�cio
A teoria da Terra Oca
Rodrigo Guedes
13
Jun
2013

   Olá amigos!! Estava um tempinho sem postar. Mas, estou de volta. E hoje trago uma postagem que fez muito sucesso no meu blog o Steve Jobs Zombie. Ela foge um pouco da proposta aqui, que é a de trazer humor, mas é tão interessante que achei que valia a pena sua publicação por essas páginas. Dá só uma olhada:


 

Um mundo em baixo do nosso mundo

 

  Eu pesquiso muito sobre todo tipo de assunto na internet. E adoro fazer e poder fazer isso. Entretanto, nessas pesquisas, até recentemente, não dava muita importância às chamadas teorias de conspiração. Achava que eram coisa de pessoas ingênuas e paranoicas. Então, um belo dia, meio sem ter o que fazer, resolvi me aprofundar mais nessas tais teorias. Pude assim confirmar minha suspeita, elas realmente são coisas de pessoas ingênuas e paranoicas, pois esse tipo de pessoa são facilmente seduzidos por esse tipo de assunto. Contudo, constatei também que essas teorias são muito mais do que isso. São um campo de estudo onde se aprende muita coisa sobre os mais diversos temas e que nos possibilitam ver o mundo sobre prismas os mais variados. A maioria delas são baseadas em fatos incontestáveis e bem pouco conhecidos, e mesmo que nunca venham a se confirmar, elas te enriquecem culturalmente e são diversão garantida.

   Estou há alguns meses pesquisando a fundo as mais variadas e incríveis dessas teorias e a partir de hoje vou começar a trazer um pouco desse assunto aqui para o Steve Jobs Zombie. E para inaugurar essa nova abordagem do blog começaremos com uma instigante teoria que diz que a Terra é oca.

 

 

 Agartha - Muitos dos defensores dessa teoria acreditam que nosso planeta não só e oco como é habitado por civilizações avançadas. Essas civilizações descendem dos habitantes da antiga Atlântida e da ainda mais antiga Lemúria, que seria uma civilização que teria existido em um continente que ficava onde hoje temos o Oceano Pacífico. Ilhas como as de Páscoa e as do arquipélago da Havaí seriam remanescentes deste continente. 

   Essas civilizações, ou civilização intra-terrena, teria o nome de Agartha e habitaria os continentes que existem dentro da Terra. Porém, esse continentes não seriam como os da imagem ao lado, que mostram a Terra do "avesso". Seriam na verdade outros continentes, cercados por outros mares.


 

 

  

 

 

Sol Interno - Essa civilização prospera no interior do planeta, assim como uma rica fauna e flora, graças à um sol interno que fica bem no seu centro. Esse sol manteria uma temperatura agradável constante para os habitantes de Agartha, num dia eterno sem noites. E como o sol é fixo a luz interna equivale sempre a do nosso meio-dia.

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Contatos Imediatos - Essa civilização evoluída teria uma tecnologia muito avançada e contatos regulares com seres de outros lugares da galáxia. Assim muitos dos avistamentos de Ovnis teriam alguma ligação com as atividades intra-terrenas, da mesma forma os avistamentos de Osnis (Objetos Submarinos Não Identificados).

 

 

 

 

 

Entradas para o mundo subterrâneo - De acordo ainda com a teoria é possível acessar esse mundo oculto por aberturas que existem em determinados lugares do planeta. No pólo norte e no pólo sul existiriam grandes buracos que dariam acesso a Agartha. No Tibete existiria uma outra entrada guardada por monges budistas. E no Brasil, na Serra do Roncador/MT (foto), um outro local onde poderia-se adentrar nesse mundo. 

   Em 1952 o arqueólogo e explorador britânico Percy Harrison Fawcett e seu filho desapareceram misteriosamente na Serra do Roncador quando tentavam encontrar a passagem que permitiria contactar as civilizações desses mundos subterrâneos.


 

 

   

 

Richard Byrd - Foi um oficial da marinha americana que ganhou notoriedade em sua época por suas explorações pelos pólos norte e sul. Acredita-se que em seu sobrevoou sobre o pólo sul em 1929 ele teria entrado terra a dentro e contactado seres habitantes das profundezas. Esse fato teria sido encoberto pelo governo americano, mas é defendido por alguns autores. Existe inclusive um suposto diário em que Byrd narra sua aventura, descrevendo mamutes no pólo sul, vegetação, discos voadores e seu contato com os habitantes de Agartha.






Nazistas na Antártica - Contudo, o mais notável interessado pelo mundos subterrâneos foi Adolf Hitler. Uma grande expedição militar alemã foi mandada para Antártida durante a Segunda Guerra e tempos antes outra esteve no Tibete. Hitler considerava o povo alemão descendente dos Atlantis e existem indícios de que ele acreditava que encontraria nesses locais cidades subterrâneas onde contactaria outros descendentes de Atlântida que comprovariam sua crença. O corpo de Hitler nunca foi encontrado, há quem diga que ele fugiu para Agartha. 

 

 

 

 

 

 

 

   Argumentos - A terra fica mais quente conforme se aproxima dos pólos; existiria pólen e poeira nos ventos vindos dos pólos; a aurora boreal não seria provocada pelos ventos solares mais sim pela luz que é irradiada pelo sol interno e atinge a atmosfera na região dos pólos graças aos buracos neles existentes; um mamute encontrado congelado na sibéria em bom estado de conservação seria o cadáver de um animal vindo de dentro da terra, e não o de um animal congelado abruptamente na última era glacial como acreditam os cientistas; não é possível ver os pólos no Google Earth, eles estão escondidos; existem áreas bem no interior da Antártida onde comprovadamente não existe gelo; o máximo que o homem conseguiu perfurar até hoje foram 12 km; o tráfego aéreo é proibido na região dos pólos.

 

 

   Terra Oca - Esse é um resumo da teoria da Terra oca. Vc pode encontrar muito mais dados pela internet. Entretanto, vale lembrar que nenhum cientista "sério" aceita essa ideia, e existem vários argumentos científicos geológicos/astronômicos que a contradizem. Porém, somente quando a nossa tecnologia permitir uma escavação com profundidade superior a 2000 km (espessura da crosta terrestre segundo os teóricos da Terra oca) ou quando o acesso aos pólos for totalmente livre poderemos ter alguma certeza sobre essa inquietante teoria. 



   

E sábado, dia 22, estou organizando uma festa no Padhock"s Bar ( Em frente ao Serraria), a Festa Pós-Punk. A entrada é franca e a noite toda vai rolar o melhor do gênero. Bandas como Joy Division, The Cure, The Smiths, Pet Shop Boys, Depeche Mode e etc. Só Sonzera!! Aparece lá, a entrada é franca e a cerveja estará em conta!



 

 


Coment�rios (0)
Os Filmes Mais Marcantes da Sesso da Tarde
Rodrigo Guedes
19
Abr
2013

 Uma perspectiva pessoal

 

   Sessão da tarde, pra mim, é mais do que uma sessão de filmes na TV, é praticamente um gênero cinematográfico. "Esse filme tem um estilo, assim, meio Sessão da Tarde" já me peguei dizendo isso algumas vezes ao me referir à algum filme. Zumbilândia, por exemplo, ou o nacional O Homem do Futuro são filmes "Sessão da Tarde". E penso que alguns filmes mais do que outros exibidos na sessão são os responsáveis pela a criação desse "estigma" que tô brincando aqui chamando de gênero.

   E hoje selecionei os filmes que pra mim são aqueles que mais precisamente ilustram o que acabei de dizer acima. Os que são também por isso, pra mim, os filmes mais marcantes da Sessão da Tarde de todos os tempos!

 

 

 

 

Garota Rosa Shocking - (Pretty In Pink - 1986)  -Estrelado pela ruiva Molly Ringwald, a miss Sessão da Tarde, e escrito pelo mestre da Sessão da Tarde John Hughes, é um filme  com a trama girando em torno da menina pobre Andy que sonha com um vestido cor de rosa para o baile de formatura e se apaixona por um rapaz vindo de uma família mais abastada. Entretanto, Dockie (John Cryer, o Alan de Two and a Half Man),  o melhor amigo de Andy, rouba a cena com um personagem engraçado e com visual estiloso, que morre de amores por ela, enquanto ela, não se da conta disso. Vale destacar também a trilha sonora do filme, com nomes como New Order, The Smiths, OMD, INXS e outros.

 

Cena marcante: Dockie cantando (dublando) "Try a Little Tenderness" de Otis Redding na loja de discos. De certa forma revelando como se sente em relação a Andy que assiste curiosa a sua performance sem entender o recado.

 

 

 

 

 

 

 

Mulher nota 1000 - (Weird Science - 1985) - Dois nerds numa mistura de ritual e conhecimentos de informática,  criam em um computador a mulher perfeita, que ganha vida após a queda de um relâmpago inesperado. A mulher, interpretada pela  musa dos 80"s Kelly Lebrok, além de ser linda é super descolada, e vai meter a dupla em muitas confusões e aventuras. Vai inclusive deixar os dois caretões verem ela tomar banho. Mais um filme com a assinatura de John Hughes, responsável aqui pela direção.

 

Cena marcante: para surpresa dos dois sua criação surge do armário depois que esse explode. Uma criatura como Frankenstein,  porém, linda, charmosa e sensual.

 

 

 

 

 

 

Curtindo A Vida Adoidado - (Ferris Bueller"s Day Off - 1986) - Esse é na minha opinião o filme número 1 da Sessão da Tarde. E como essa não é uma lista top 10, nem nada, falo dele agora. Mas o que falar desse filme? É preciso dizer algo? Bem, o vejo como uma obra-prima. Divertido, engraçado e emocionante. Os personagens são cativantes e Ferris Bueller é um ícone. Assistia o filme e queria ser Ferris Bueller! Filmão. E o detalhe, filme escrito e dirigito por, adivinha?, ele mesmo, John Hughes.

 

Cena marcante: são várias. Mas fico com a Ferrari do pai de Cameron despencando em direção a mata logo depois que ele decide enfrentá-lo. Os três não acreditam no que acaba de acontecer, muito menos o espectador.

 

 

 

 

 

 

 

Uma Noite de Aventuras - (Adventures in Babysitting - 1987) - Chris Parker, interpretada pela gata Elizabeth Shue, cuida de uma garotinha e um adolescente quando recebe um telefonema desesperado de sua amiga que está sozinha e sem dinheiro num canto perigoso da cidade. Ela não vê outra saída a não ser ir salvar a amiga levando os dois e mais um amigo do rapaz. No caminho, tudo dá errado e eles vivem uma noite de aventuras. O filme é muito divertido e tem um ritmo frenético, cheio de surpresas.

 

 

 

Cena marcante: a cena de abertura desse filme é a minha cena de abertura favorita de todos os tempos. Elizabeth Shue dubla e interpreta "Then He Kissed Me" de The Crystals toda feliz enquanto se apronta a espera do seu namorado.



 

 

 

Admiradora Secreta - (Secret Admirer - 1985) - Toni é apaixonada pelo seu melhor amigo, Michael (C. Thomas Howell) e se declara a ele através de uma carta anônima. Michael é convencido de que quem a escreveu foi a gata do colégio Deborah (Kelly Preston) e quando ele perde a carta, esta vai passando de mão em mão criando muita confusão, despertando paixões proibidas e deixando a trama cada vez mais divertida. Filme absolutamente clássico da sessão repleto de personagens divertidos e situações inusitadas.


Cena marcante:  Deborah, no carro, tira o sutiã e revela seu corpo para o surpreso e admirado Michael. É, nos anos 80 essas cenas não tinham corte, e para um garoto de 10, 11 anos isso é bem marcante. Saiba mais sobre isso clicando conferindo o post "Filmes eróticos que passavam na Sessão da Tarde".

 

 

 

 

Curso de Verão - (Summer School - 1987) - Esse filme eu gostava muito e tinha um carinho especial por ele. Alguns estudantes, figuraças,  são reprovados e tem que passar o verão frequentando aulas de inglês para serem aprovados. Algo como a nossa segunda época. E o professor encarregado de ensiná-los, Shoop (Mark Harmon), não sabe como ensinar inglês, optando por dar aulas divertidas para motivar os alunos. E a confusão começa. Contudo, são os personagens Alan e Francis que roubam a cena e me faziam gostar do filme. Eles eram aficionados por filmes de terror, e como eu também era, adorava as cenas em que eles faziam referências ao estilo, se maquiando (como profissionais da área) e criando cenas que brincavam com o gênero.

 

 

Cena marcante: o professor Shoop vai preso e para substituí-lo é mandado outra professora. E para assustá-la Alan e Francis criam toda uma carnificina dentro da sala de aula com entranhas se esparramando, sangue e brutalidade. Eu vibrava nessa cena, me emocionava mesmo. Pra mim, pessoalmente, uma das cenas mais marcantes da sessão de todos os tempos. Deixei até a imagem em seu tamanho original pra ficar mais nítido o que foi essa sequência!!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Acadêmia de Gênios - (Real Genius  - 1987) - Um grupo de nerds trabalha numa faculdade de física desenvolvendo um laser super potente. A história gira em torno do novo membro do grupo Mitch Taylor e de sua amizade com o veterano e o único do grupo que não é um nerd, no sentido clássico, um cara descolado e muito divertido, Chris Knight, interpretado por Val Kilmer, que tá muito bem no filme, muito engraçado, é a alma do filme. Um personagem do tipo Ferris Buellers, inspirador. E quando os nerds descobrem que seu chato professor quer vender o laser aos militares eles começam a arquitetar um plano para trollar o professor e os militares.

 

Cena marcante: os estudantes apontam o laser para casa do seu professor que está cientificamente preparada para que ao ser atingida transborde de pipoca por todas as suas aberturas. Nessa hora toca "Everybody Wants to Rule the World" do Tears for Fears. Outra cena absolutamente inesquecível. 

 

 

 

Gatinhas e Gatões - (Sixteen Candles - 1984) - Pra encerrar outro filme escrito e dirigido por John Hughes e estrelado por Molly Ringwald. A irmã de Samantha Baker (Molly) está para se casar e sua família está toda alvoraçada com o casamento. Nisso, ninguém lembra do seu aniversário de 16 anos o que a deixa deprimida. Além disso, Jake, o cara de quem ela gosta  namora com a menina mais linda do colégio e para piorar, o folgado, Ted, um pirralho, passa o tempo todo dando em cima dela, além de nos proporcionar alguns do momentos mais divertidos do filme.

 

Cena marcante: Ted desiste de conquistar Samantha, entretanto ganha sua confiança. E como ele tinha apostado com seus amigos que conseguiria transar com ela, pede a ela sua calcinha "emprestada" para poder provar a eles que conseguiu. Momentos depois Ted mostra a calcinha no banheiro para um platéia boquiaberta. Sensacional!

 

 

 

 

 

 

   Existem claro muitos outros filmes que poderíamos encaixar aqui. Mas quis selecionar aqueles que pra mim, são os mais top. Algo bem subjetivo. Provavelmente vc lembrou de outros ou mesmo pode ter achado que minha seleção injustiçou algum filme ou coisa assim. Entretanto, pra mim, que assisti a Sessão da Tarde principalmente nos anos 80 e 90 esses são os 8 filmes mais marcantes, os filmes que eu chamo de "filmes sessão da tarde" por excelência. Aqueles que não importa onde nem quando vc vê, vc sempre lembra da sessão vespertina global. Assim, propositalmente não inclui os filmes de ação e aventura, Lagoa Azul, várias comédias clássicas, enfim... acho que deu pra entender meu raciocínio, né?


Coment�rios (0)
O carnaval a poca mais chata do ano
Rodrigo Guedes
07
Fev
2013

 

   O carnaval é muito chato. Dizem que o Brasil é país do carnaval mas todos os brasileiros que eu conheço concordam comigo: o carnaval é chato. O povo parece gostar muito de carnaval lá pelo Rio e pela Bahia. Mas esses não são os brasileiros, são alguns brasileiros. E acredito existirem também muitos por essas bandas que não ficam lá muito animados com as infindas batucadas. País do carnaval? De qual carnaval?

 

   Pois bem. Na verdade, analisando com calma, eu não acho o carnaval em si chato não. Eu até que gosto do carnaval, só que ele não existe aqui na cidade e num raio de muitos quilômetros ele não existe. Pelo menos não o de rua. Se não eu o "pularia". Feliz. E além disso, eu faço uma distinção. Pra mim existem carnavais, não o carnaval. E se digo que gosto, gosto do que considero o autêntico.

    O que é chato mesmo, e o que dá essa sensação de que essa é uma época do ano chata, são as Escolas de Samba, o carnaval da Bahia, e principalmente a grande cobertura que a mídia dá a essas manifestações culturais. Quem tá lá, tá usufruindo, pode até querer saber como que estão as coisas, a animação e etc. Mas quem não tá, meu amigo, "preferia ver o filme do Pelé".

 

  Outro ponto é o seguinte. O carnaval é brincar, sair na rua, pular e dançar encher a cara em plena luz do dia com todo mundo se divertindo, usar fantasias, rolar no chão com elas bêbado. Não pagar pra entrar. Fazer xixi no poste. Cantar ao som das marchinhas clássicas, eternas, ou ao som de qualquer som que estiver rolando. O carnaval é diversão com ausência de regras. Tudo aquilo que vc não faz o ano todo, vc faz no carnaval, é isso. Daí vem a ideia de homem vestido de mulher. Essencialmente/historicamente carnaval é (era) isso. Em alguns lugares do Brasil ele se mantem assim, felizmente, em Olinda/PE por exemplo, no Rio mesmo e em muitos outros municípios, no entanto, muito poucos se comparados com a vastidão do nosso território e para um país que se diz o país do carnaval.

 

  Porém, nossa mídia e nossos órgãos oficiais (farinhas do mesmo saco) querem que nós e o mundo acreditem que somos o país do carnaval por causa desses eventos, anti-carnavalescos na minha opinião, que acontecem na época do carnaval e só o ofuscaram. São talvez pseudo-carnavais, ou carnavais parasitas, são o câncer do carnaval. Mas não são o carnaval.

 

  Desfile de Escola de Samba tem regras rígidas, competição, campeão, disputa, brigas, estresse, rola uma grana monstro do governo e da iniciativa privada, não é para todos, existe segregação por classe social, só toca o mesmo tipo de música, não tem marchinhas, isso não é carnaval. Não sou contra que exista, mas bem podia acontecer em outra época do ano, não? Não agora. Eles estão acabando com o nosso carnaval, botando-o pra escanteio, e a maneira que a mídia cobre só o deixa mais chato. Eu não tenho Escola de Samba do coração, não sei quem ganhou o carnaval passado (ninguém deveria ganhar algo que é para todos) e não quero saber quem ganhará esse ano. Respeito, tem beleza, já assisti a vários desfiles, mas não tenho mais saco. Uma época eu acho até que via mesmo só pra ver mulher pelada, mas até isso, nas ultimas vezes que cheguei a dar uma olhada, tava difícil de ver nos sambódromos.

 

 

 Sobre o carnaval da Bahia não sei muito, mas ver as mesmas Ivetes, Claudias, Danielas, cantando sempre as mesmas chatices que elas cantam o ano todo, é chato. E aparece Preta Gil num trio elétrico. Cada vez mais chato. "Ah, mas tudo bem, o importante é o som, a diversão, é carnaval de rua, como aquele que vc elogiava acima". Antes fosse. Lá tem o tal do abadá, todo mundo vestindo a mesma roupa. E eles pagam caríssimo pra ter um. É elitismo, segregação, uniformização, não é carnaval. Podia fazer o evento numa outra época do ano também, agora desse jeito só tão acabando com o carnaval, aquele do povo, do coração. Feito pra se divertir não para aparecer. E nem quis pesquisar mais a respeito do carnaval baiano pra poder falar melhor aqui por que até pesquisar sobre é chato.

   Contudo, se só nos chega o carnaval espetáculo e enaltecedor e intensificador das chatices do ano todo em detrimento do carnaval true esse sim antidoto, pelo menos momentâneo, contra as chatices perenes, felizmente em Lages sempre temos carnavais alternativos, com bandas tocando, o que acaba fazendo dessa uma época legal, ainda com um feriadinho no meio. E é um carnaval bem brasileiro, eu conheço vários brasileiros que adoram. Esse, só é chato quando rola Smoke On The Water e Born To Be Wild e quando acaba.


   Conclusão: o carnaval é chato, mas também pode não ser. 


Coment�rios (0)
Gralha Azul x Sapo Cururu - Parte 2
Rodrigo Guedes
11
Jan
2013

   Quando eu era criança eu tinha um certo medo de sapo. Não muito, pq eu era metido a corajoso. Mas o suficiente para ser sempre muito cauteloso quando encontrava um. Além deles serem enormes para os olhos de um criança, eles eram e são feios e nojentos. E como se não bastasse eu cresci ouvindo coisas como "sai de perto desse sapo piá, ele gruda na sua perna e só vai sair quando der uma trovoada muito forte". Eu ficava me imaginando andando pra lá e pra cá, com aquela criatura viva asquerosa grudada na minha perna, tomando banho, dormindo e ele lá, isso dava   calafrios e nojo! Outra coisa que se ouvia bastante era "ele solta leite, ele mira bem no seu olho e se pegar vc fica cego!". Hoje eu sei que ele não é tão barra pesada assim, mas de onde vem toda essa campanha contra o animalzinho? Queimaram o filme dele legal nesses anos todos. Tenho amigos, homens feitos, que pra vc ver ele se desmunhecando todo basta dizer apontando "home do céu, tem um sapo aí bem no seu pé". Há uma geração inteira traumatizada com o cururu. Minha sorte foi a de ser um piá véio metido a corajoso, senão seria outro desses.

    O Sapo cururu, que pra gente aqui é só o sapo, é sem dúvida o animal mais presente na vida do lageano depois do gato e do cachorro. Tem toda essa gente ligada ao campo, que lida com cavalo, gado e afins... tempos atrás aparecia uma vaquinha ou outra pastando aqui na frente de casa, ou seja, esses animais de certa forma estão bem presentes, mas estão se tornando raros na cidade ou estão cada vez mais presentes somente na vida das pessoas ligadas ao campeirismo de uma forma ou outra. Agora, o lageano comum, o trabalhador, aquele que forma a grandessíssima maioria da população da cidade, aquele que a cada 3 frases usa "home", ou "home do céu", esse, pelo menos no verão, vive mesmo num mundo infestado de Rhinellas, nome científico do bichinho.

   Se vc caminha pelas ruas de qualquer bairro da periferia da cidade no verão (no inverno nossos sapos hibernam, né?) vc encontrará muitos sapos, além de cadáveres e mais cadáveres do anfíbio, vítimas de atropelamento. Uma cena que lembra um pouco o Walking Dead, só que com sapos. Há uns tempos atrás, encontrávasse também cadáveres frutos da malvadeza da gurizada. Eu mesmo participei algumas vezes de sessões de tortura à sapos, maltratávamos os animais só por prazer, sem nem um fim. Maldade pura. Não existia Playstation. O que me fez pensar agora que talvez o nosso sapinho equivalha ao judeu da alemanha nazista. Discriminado, assassinado, torturado, excluído, rejeitado, caluniado, só por ele não ser tão gracioso quanto nossos animais de estimação ou a gralha azul. Racismo animal!

   Ah, quer saber, dane-se a gralha azul. Como disse na primeira parte desse post, só vi a gralha duas vezes, e bem de longe, a moiria dos leitores aqui aposto que nunca viu uma, e ela já é idolatrada em tudo quanto é lugar do Brasil, tá com a vida ganha ela. E eu sempre estive do lado dos fracos e dos oprimidos, e se tem um bicho que me marcou desde a infância e que nunca vi com tanta abundância como vejo aqui é o sapo.

    Só pra vc ter uma ideia. Poucos anos atrás fomos dar uma limpada aqui no quintal de casa. Quintal pequeno, umas lajotas amontoadas ali, duas, três telhas aqui, um matinho querendo se estabelecer num canto, enfim. Nessa limpeza eu tirei 10 sapos do quintal da minha casa! Eles brotam como que por geração expontânea! Eles dominam. E digo mais, eles gostam de nós, querem ficar perto da gente e ainda nós dão uma mão eliminando moscas e pernilongos! E só no verão, no inverno eles ficam de boa. E descançamos das suas caras repugnantes. 

   E para terminar, quero então dizer que tenho a impressão que, por tudo o que passei e passo com ele, por ele ter me proporcionado experiências que não viveria em outra cidade, pelas marcas culturais e psicológicas que ele imprimiu no cidadão lageano, pelo convívio, por isso tudo, boto mais fé no Sapo Cururu como símbolo da cidade de Lages do que a tal da gralha azul. E não sou só eu, o Expresso Rural em 1984, antes da Festa do Pinhão popularizar a gralha, já havia notado e homenageano esse ilustre lageano. 


 


Gralha Azul x Sapo Cururu - Parte 1 confira no link:


http://www.guialageano.com.br/rodrigoguedes/post.php?p=713


Coment�rios (2)
Gralha Azul x Sapo Cururu - Parte 1
Rodrigo Guedes
10
Dez
2012

   A gralha azul é o animal símbolo da nossa cidade. Pinturas, esculturas, bonecos, um bairro, enfim, a gralha azul está sempre presente na vida dos lageanos de um jeito ou de outro. Na época da Festa do Pinhão então só da ela.

   Entretanto, lhe pergunto, vc já viu uma gralha azul? Acredito que se vc tem parentes no interior do município, ou uma chácara, sítio, fazenda, se vc por algum motivo costuma ir ao interior, é possível que alguma vez tenha visto algum espécime da Cyanocorax caeruleus, seu nome científico. Porém, se vc é um típico lageano, trabalhador, estudante, urbano, provavelmente nunca tenha visto uma.

    A primeira vez que vi uma gralha azul foi no final dos anos 90, não lembro exatamente o ano, quando fui com um amigo visitar alguns parentes seus no Painel. Adentramos pelo interior do município e uma ave azul me chamou a atenção ao longe entre alguns pinheiros. Fiz um comentário a respeito, e esse meu amigo fez me dar conta que estava diante, mesmo que de longe, da famosa ave, "aquela é uma Gralha Azul" disse ele. "Finalmente vi uma!" pensei.


    Alguns anos mais tarde vi também a grande distância duas aqui no meu bairro. Elas estavam em um pinheiro, ficaram pouco O pacato bairro da Penhatempo, logo voaram e desde então nunca mais vi uma. Moro na Penha, bairro pacato ilustrado na foto a sua esquerda, que é limite do perímetro urbano e vez por outra aparece alguma ave diferente por aqui, ano passado filmei um Tucano atrás aqui do quintal de casa.

    Digo tudo isso por que pretendo aqui amigos propor-lhes algumas reflexões: por que um animal tão raro numa cidade se tornaria seu símbolo? Um animal comum em uma localidade e raro em todas as demais não seria o mais apropriado como um símbolo? Se um animal já é símbolo de alguma localidade então não seria mais interessante não usar esse mesmo animal como símbolo? Veja, não estou afirmando nada, são só reflexões...


   

   A imprensa local, as escolas municipais e os orgão oficiais de cultura da cidade costumam nos "vender" a ideia de que a gralha azul e o pinhão são coisas muito nossas e que só existem aqui. Mas a gralha azul aparece desde o sul do Rio de Janeiro até o Rio Grande do Sul. Ela é símbolo do estado do Paraná oficialmente desde 1984, é o mascote do Paraná Clube (time de futebol), aparecendo até em seu escudo. O Paraná ainda tem os municípios de Araucária e o de Pinhão que também tem uma Festa do Pinhão. Festa que também existe em Campos do Jordão/SP, Cunha/SP, São José dos Pinhais/PR, Fontoura Xavier/RS, São Francisco de Paula/RS e Muitos Capões/RS. A nossa aqui é a maior entre elas, mas em todas elas a gralha azul está lá ilustrando, decorando, enfeitando o evento. 

    Não seria mais interessante se tívessemos um símbolo só nosso, um animal só nosso?? E se você pensou no leão baio, esse também não vale. Esse ocorre em todo o contimente americano, mudando somente de denominação: puma, leão da montanha, suçuarana, onça-parda, jaguaruna e etc... e esse bichano foi eleito recentemente símbolo oficial da cidade de São Paulo.

    Na semana que vem, na continuação desse post, vou falar de um bichinho muito simpático, muito comum aqui e cheio de lendas a seu respeito, mas que quase ninguém lhe dá a mínima. E que sempre me faz pensar se não daria o danado um belo candidato para mascote da nossa cidade!

     

Gralha Azul x Sapo Cururu - Parte 2 confira no link:


http://www.guialageano.com.br/rodrigoguedes/post.php?p=718


Coment�rios (0)
Postagens passadas >>
Colunistas
Rodrigo Guedes

Sobre

O Guedes, como é mais conhecido por aí, é Boêmio, tem uma banda chamada Os Americanos e há algum tempo vem procurando desenvolver conteúdo para a web, tiras, ilustrações, vídeos e textos. E agora vai estar todos os dias aqui no Guia Lageano postando o que achar de mais engraçado e curioso pela web, além de postar também suas próprias criações. Divirta-se, curta, compartilhe. E escute a banda Os Americanos manolo(a)! 



O seu navegador não é mais suportado.

Atualize para um navegador moderno.
Obrigado, equipe Guia Lageano.